University of Wisconsin Digital Collections
Link to University of Wisconsin Digital Collections
Link to University of Wisconsin Digital Collections
Ibero-American Electronic Text Series

Page View

Leroy, Claude E.; Albuquerque, Severino João Medeiros; Schil, Mary H. / Português para principiantes
(1993)

Lição 30,   pp. [329]-340


Page 337

0 homem nu
Fernando Sabino
Ao acordar, disse para a mulher:
-Escuta, minha filha:' hoje 6 dia de pagar a prestaqo da televisdo; vein af o sujeito corn a
conta, na certa. Mas acontece que ontem n~o trouxe dinheiro da cidade, estou a nenhum.
-Explique isso ao homem - ponderou a mulher.
-Ndo gosto dessas coisas. DA urn ar de vigarice2; gosto de cumprir rigorosamente as minhas
obrigaq6es. Escuta: quando ele vier a gente fica quieto aqui dentro, ndo faz barulho, para ele pensar
que ndo tern ningu6m. Deixa ele bater at cansar - amanhd eu pago.
Pouco depois, tendo despido o pijama, dirigiu-se ao banheiro para tomar urn banho, mas a
mulher jAi se trancara3 lI dentro. Enquanto esperava, resolveu fazer urn caf6. P6s a digua a ferver e
abriu a porta de serviqo para apanhar o p5o. Como estivesse4 completarnente nu, olhou corn cautela
para urn lado e para outro antes de arriscar-se a dar dois passos at o embrulhinho deixado pelo
padeiro sobre o mdrmore do parapeito. Ainda era muito cedo, n~o poderia aparecer ningu6m. Mal
seus dedos, por6m, tocavarn o pdo, a porta atrdis de si fechou-se com estrondo, impulsionada pelo
vento.
Aterrorizado, precipitou-se at a campainha e depois de tocA-la ficou A espera, olhando
ansiosamente ao redor. Ouviu Id dentro o rufdo da Agua do chuveiro interromper-se de stibito mas
ningu6m veio abrir. Na certa a mulher pensava que jdl era o sujeito da televisdo. Bateu com o n6 dos
dedos.
-Maria! Abre af, Maria. Sou eu - chamou, em voz baixa.
Quanto mais batia, mais sil~ncio fazia li dentro.
Enquanto isso, ouvia li em baixo a porta do elevador fechar-se, viu o ponteiro subir
lentarnente os andares . . . Desta vez era o homem da televis~o!
Nao era. Refugiado no lance de escada entre os andares, esperou que o elevador passasse, e
voltou para a porta de seu apartamento, sempre a segurar nas maos nervosas o embrulho de pdo:
-Maria, por favor! Sou eu!
Desta vez nao teve tempo de insistir: ouviu passos na escada, lentos, regulares, vindos 1i de
baixo ... Tornado de pftnico, olhou ao redor, fazendo uma pirueta, e assim despido, ernbrulho na
mao, parecia executar um "ballet" grotesco e mal ensaiado. Os passos na escada se aproximavarn, e
ele sem onde se esconder. Correu para o elevador, apertou o botdo. Foi o tempo de abrir a porta e
minha filha - my dear
2 dA um ar de vigarice - it will look as though we're trying to put one over.
jd se trancara - had already locked herself
4 Como estivesse - Since he was


Go up to Top of Page